Autor: Branca Solio

Colóquio – Do berço à escola

Esta atividade faz parte do Campo temático Psicanálise da criança sob a responsabilidade de Margareth Kuhn Martta, Maria Marta Vargas de Oliveira e Denise Nunes Mousquer Do que ri o pai? A partir desta interrogação, Conceição de Fátima Beltrão Fleig nos apresenta um caso acompanhado pelo Serviço de Atendimento Clínico – Núcleo Letra e encaminhado por uma escola pública. A Escola de Estudos Psicanalíticos define por “Campo temático” aquilo que entende ser indispensável para a formação psicanalítica no tocante ao ensino, a par do cuidado, de cada um, com as formações do inconsciente que lhes são pertinentes, em sua análise e análise de controle. Data: 21/10, sábado, das 9:30min às 11:00h Modalidades de participação: presencial ou semipresencial (Skype) Rua Miguel Tostes, 949, sala I, Rio Branco, Porto Alegre Investimento por encontro: R$ 60,00; Membros e Proponentes da EEP isentos Inscrições: eepsicanaliticos@gmail.com Fone (51) 3328 4727, celular/whats (51) 99221...

Ler mais

A função dos cartéis

Lacan, ao fundar uma Escola de Psicanálise, a École freudienne de Paris, pretendeu inventar uma organização institucional que estivesse de acordo com a prática psicanalítica de Freud, ou seja, de acordo com o inconsciente. Se a estrutura do sujeito do inconsciente está organizada em torno de um furo, visto que o objeto está perdido e o recalcamento originário é inapagável, qual seria o furo correspondente em sua Escola? Não seria a ausência de resposta preestabelecida sobre o que seja um analista e como alguém se torna analista? Ora, o cartel seguiria a mesma lógica: a falta de um saber pronto e abrangente e a ligação de cada um com a Escola a partir do desejo que lhe concerne em sua relação com a causa psicanalítica.  Em razão destas interrogações, sobre o que constitui o labor de cada um junto com os demais no tocante às formações do psicanalista, a Comissão de Publicações da Escola de Estudos Psicanalíticos propõe uma leitura inicial conjunta da Ata de fundação  da École freudienne de Paris, de 1964 e da transcrição das Jornadas de Cartéis, de 1975. Comissão de Publicações – Escola de Estudos Psicanalíticos Intervenções: Adriana Rossetto Dallanora; Ariela Siqueira Dal Piaz; Mario Fleig; Ricardo Casanova; Viviane Carla Dall’Agnol Data: sábado, 21/10/2017, das 11h às 12h. Local: Rua Miguel Tostes, 949, sala I – Bairro Rio Branco, P. Alegre Modalidades de participação: presencial ou semipresencial (Skype) Inscrições: eepsicanaliticos@terra.com.br,...

Ler mais

Profª Andréa Gabriela Ferrari, do PPG psicanálise: clínica e cultura (UFRGS) fala sobre implantação de Indicadores de Referências para o Desenvolvimento Infantil (IRDI), nas creches de Porto Alegre

A interlocução está marcada para o dia 2 de outubro, das 19h às 21h, numa iniciativa do Grupo de Estudos do Autismo, em Caxias do Sul. Investimento: para membros e proponentes R$30,00 e para convidados R$60,00. Inscrições: Secretaria da EEP com Filomena. eepsicanaliticos@gmail.com ou pelo fone (51) 3328 4727 Participação: presencial ou...

Ler mais

O nome próprio face às identificações

Seminário: Por uma clínica topológica: do esquema óptico aos grafos Ministrante: Mario Fleig     Quem sou eu? Como alguém poderia responder a esta interrogação? Ora, posto que nenhum traço predicável define um sujeito e, contudo, cada sujeito é sempre situável, podendo responder, mesmo que enigmaticamente, às três perguntas essenciais: quem sou?, de onde desejo? e o que desejo?, e através disso encontrar algo de suas identificações, resta-nos retomar o problema do nome próprio, como propõe Lacan no seminário A identificação. Sabemos que o problema do nome próprio (WOLF, 1985) é enfrentando tanto pelos lógicos, no campo da função referencial, ligado à denotação com ou sem conotação quanto pelos linguistas (por exemplo, Benveniste e Jakobson). J. S. Mill nos apresenta sua já clássica concepção do nome próprio como  um termo individual não conotativo, isto é, sem atribuição, como uma marca. Já para Frege, o nome próprio sempre é referido a um objeto. Para Russell, o nome próprio é uma word for particular, um algo e como tal se define pelo seu caráter descritivo. Ou seja, é a substituição de uma descrição. Assim, Sócrates, o que não deixa de ser paradoxal, já não pode mais ser considerado um nome próprio, dado que quando pronunciamos já não comporta nenhuma descrição de um alguém. Lacan, face ao que considera uma insuficiência das formulações sobre o nome próprio, retoma a questão nas aulas de 20.12.61 e 10.01.62...

Ler mais

Aproximações clínicas nas psicoses

Argumento: Lacan afirma que a um analista não caberia recuar diante dos desafios próprios que o trabalho clínico com sujeitos psicóticos impõe. Sua ousadia nos legou a invenção de uma nova prática clínica e sua conceituação. Sabemos que a pertinência da psicanálise não se restringe à neurose, visto que Freud com Fliess e Lacan com Aimée nos demonstram que a clínica das neuroses aconteceu e somente foi possível graças a sua ligação imanente com a paranoia. Assim, Lacan foi quem soube extrair do texto freudiano sobre Schreber o mecanismo que nomeou de forclusão, próprio dos destinos tão diversos dos sujeitos psicóticos. Desta invenção se seguiram muitos avanços, tanto na conceituação do que constitui a estrutura das psicoses quanto no tocante ao trabalho com psicóticos. Ministrantes: Martha Brízio; Mario Fleig Data: Sexta-feira, às 18h30min; 15/09, 20/10, 17/11 Modalidades de participação: presencial ou semipresencial (Skype) Local: Rua Miguel Tostes, 949, sala I – Bairro Rio Branco, P. Alegre Investimento: Seminário avulso: R$ 100,00 Inscrições: eepsicanaliticos@terra.com.br, fone 051...

Ler mais

Arquivo de posts

Agende-se

outubro 2017
D S T Q Q S S
« set    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031