Martha Dominga Brizio (1939-2018)

Dia 24 de abril de 2018 nós, da Escola de Estudos Psicanalíticos, ficamos profundamente entristecidos pela perda de nossa colega Martha Dominga Brizio. Cada um de nós que pode partilhar algum trecho dos caminhos abertos por Martha poderá testemunhar acerca da força, clareza e retidão com que marcava tudo o que fazia e aqueles que a cercavam. Nossos caminhos se cruzaram quando ela mostrou todo seu interesse e entusiasmo pelo projeto de nossa instituição de formação psicanalítica, engajando-se do modo decidido. Os cuidados com a clínica psicanalítica, tanto no tocante aos conceitos quanto ao fazer clínico sempre foram constantes e decisivos. Aquilo que J. Lacan havia afirmado em Vincennes, na Abertura da seção clínica, “a psicose é aquilo frente ao qual um analista não deve retroceder em nenhum caso”, Martha o demonstrava diariamente, desde os inícios de seu trabalho inaugural nos anos 70 na clínica universitária, até suas últimas forças. Tive, juntos com muitos, o privilégio de ficar marcado por seu estilo agudo e preciso no modo de conduzir psicanaliticamente os trabalhos com sujeitos determinados no campo das psicoses, tanto nos atendimentos individuais quanto nas oficinas e nas apresentações clínicas de pacientes. Do mesmo modo retomou ela a sustentação de um seminário que realizamos em conjunto, no qual mostrou o vigor de seu domínio conceitual sempre referido a seu labor clínico. Enfim, tive a chance, em uma das últimas visitas que lhe fiz, dizer que muito lhe era grato por dois motivos: ter encetado com ela uma amizade genuína, coisa rara e muito difícil de se estabelecer, e que costuma acontecer quase que apenas quando se é jovem; e ter encontrado nela, algo também raro, uma firme companheira de trabalho no enlace entre a clínica e sua teorização. Martha Brizio é uma perda sem remédio, e o único consolo, talvez, seja a dimensão da sublimação que sua partida me ensinou: se ela teve a ousadia de fundar algo, uma passagem ao ato, quando em nosso meio se estabeleceu, tendo atravessado uma tensa fronteira, a autenticidade deste ato se demarca em seus efeitos. As consequências de seu ato perdurarão, certamente, para além de seu pensar e de seu ser, para além de qualquer miragem narcísica, e este lugar devastado se abre para aquilo que constitui propriamente a sublimação.

Mario Fleig

Campo Temático Psicanálise da criança

Colóquio - Do berço à escola Encontro via Skype com Gabriel Balbo 28/04, sábado, das 9h30min às 11h30min   Denise Mousquer, Nair Oliveira, Mª Marta Oliveira e Beatriz Hardt  Tendo como referência o texto do psicanalista Gabriel Balbo "Ato de nascimento do autismo...

ler mais

A prática psicanalítica: da clínica ao conceito

Estão abertas as inscrições para a 5ª edição do curso A prática pasicanílitica: da clínica ao conceito, da Escola de Estudos Psicanalíticos, com turmas desenvolvidas na sede de Caxias do Sul. Interessados podem providenciar a inscrição. Veja informações...

ler mais

Colóquio – Do berço à escola

Esta atividade faz parte do Campo temático Psicanálise da criança sob a responsabilidade de Margareth Kuhn Martta, Maria Marta Vargas de Oliveira e Denise Nunes Mousquer Do que ri o pai? A partir desta interrogação, Conceição de Fátima Beltrão Fleig nos apresenta um...

ler mais

A Identificação segundo Lacan

Seminário Por uma clínica topológica: do esquema óptico aos grafos Ministrante: Mario Fleig A identificação é o tema do seminário de Lacan no ano 1961-1962, que vem na continuidade da temática freudiana: o entrecruzamento entre a escolha de objeto e a identificação....

ler mais

Café Psicanalítico em Chapecó

O Movimento Psicanalítico de Chapecó convida para seu Café Psicanalítico Modernidade: declínio das referências simbólicas e individualismo, no dia 25 de maio Argumento: A passagem do período da tradição para a modernidade gerou uma nova forma de subjetivação: o...

ler mais

Comunicado: a Escola tem mais um contato
Celular/whatsapp: (51)99221 2557o